Sou virgem e estou namorando uma mulher com um mau passado, mas que hoje busca a pureza. Pensar sobre seu passado me atormenta. Como posso superar isso?

Sei como você se sente, porque eu era virgem no dia em que me casei, mas minha esposa não. Assim como a mulher que você mencionou, minha esposa se tornou uma nova criatura. Mas ainda era um desafio doloroso lidar com o seu passado. Primeiro, sentia um embrulho no estômago quando pensava nela sendo íntima com alguém que eu nunca conheceria. Também sentia ressentimento com outros caras, e nunca queria magoá-la. E então, tinha o sentimento de ter esperado tanto assim para me dar inteiramente para alguém, e querendo compartilhar a experiência da noite de núpcias como algo único. Parece familiar? Recebo inúmeros emails de homens e mulheres como você que estão lutando com o passado dos seus parceiros. Aqui vai uma estratégia para superar essa dificuldade:

Uma razão pela qual esses pensamentos continuam a passar pela sua mente é porque você provavelmente está tentando afastá-los da sua mente sem lidar com eles. Varrê-los para debaixo do tapete vai permiti-los a continuar te incomodando. Vejo que a solução não é reprimir esses pensamentos mas lidar com eles, aceitando-os e elevando-os. Sempre que tiver esses pensamentos problemáticos, siga os passos a seguir:

1. Agradeça a Deus. Agir contra os sentimentos de amargura e mágoa agradecendo a Deus por tirá-la daquele estilo de vida. Isso vai te ajudar a evitar que o ressentimento infecte o seu relacionamento. Lembre-se: ela não era infiel a você. Ela apenas tomou algumas decisões ruins, e provavelmente se arrepende delas. Se você é como eu, você também cometeu erros no seu passado, seja assistindo pornografia, seja com outras garotas. Lembre-se que ressentimento é uma escolha, não apenas uma emoção. Você precisa ativamente rejeitá-lo e arrancá-lo pela raiz.

2. Ofereça. Em vez de se esconder no passado dela e rastejar nele, eleve esses pensamentos a Deus quando vierem à sua mente. Dica: quando começar a pensar sobre suas antigas ações e relacionamentos, tome isso como um lembrete para orar pela cura das suas memórias e pela conversão dos homens que ela namorou. Por causa dos sofrimentos de Cristo, nossas provações na vida tem valor redentor quando as aceitamos com fé e as oferecemos a Ele. Você precisa perceber o bem que o Senhor pode fazer através disso. Use o seu sofrimento para trazer a Graça aos outros. Este passo é muito importante. Toda vez que uma memória vier na mente, quero que ore pela cura dela e pela conversão deles. Em outras palavras, deixe a dor se tornar oração.

3. Viva castamente. Decida ter uma vida pura com ela. Talvez você não seja quem vai casar com ela algum dia, e se esse é o caso, você certamente não quer dar mais arrependimentos para ela trazer ao seu futuro matrimônio. A fim de viver uma vida casta, você também não deve ver pornografia. Isto vai infectar a ferida no seu relacionamento e intensificar as suas inseguranças porque fará que os pensamentos do passado dela sejam ainda mais visuais na sua imaginação.

4. Fale com ela. Se o relacionamento está se direcionando ao matrimônio, não tenha medo de falar com ela sobre a luta que está tendo. É melhor que esses problemas venham para a superfície antes do matrimônio do que dentro do matrimônio. Se não se sente pronto para isso, talvez você possa falar com um padre ou algum outro diretor que você respeite (sem trair a confiança dela). Em outras palavras, é melhor falar com alguém que ou conheça o seu passado, ou que nem mesmo a conheça.

Contudo, lembre-se que bons relacionamentos requerem uma comunicação aberta e honesta. Quando você apresenta as suas preocupações, não culpe o passado dela, mas expresse o fato que você quer trabalhar essa questão juntos. Nunca, nunca esconda isso ou use contra ela. Em vez disso, partilhe suas inseguranças, medos ou feridas, e permita que ela te ame. Isso vai requerer certa vulnerabilidade da sua parte e alguma paciência e empatia da parte dela. Se o seu amor é forte e indulgente, vocês dois serão capazes de superar essa dificuldade.

Ao fazer isso, não seja muito específico com relação ao que ele já fez com o(s) rapaz(es). Tal informação faria mais mal do que bem. Intimidades passadas de um dos parceiros normalmente trazem sentimentos de dor, inferioridade, ou ressentimento ao outro. Falar sobre sua luta te ajudará a guardar seu coração do veneno da falta de perdão. Mas pegue leve com ela, e não mantenha isso para sempre. Isso fará com que ela se decepcione com você. Ouvi uma vez que um jovem se aproximou de São Padre Pio em lágrimas porque sua namorada terminou com ele. O santo bateu na cara do jovem e disse “seja homem”. Por mais duro que pareça, é justamente o que o rapaz precisava.

É completamente compreensível que se sinta machucado pelo passado dela. É natural. Não é um sinal que não a tenha perdoado. É apenas um sinal que você tem um coração humano. Perdoar alguém não é se entorpecer. É não ter algo contra aquela pessoa. É decisão. Com o tempo, as feridas vão sarar, mas não está em seu poder não se sentir de determinada forma. Confie que ela será paciente com você ao longo desse processo. Se isso te encoraja, descobri que essa situação melhora com o tempo, e no nosso caso, o matrimônio tem trazido muitas curas. Por exemplo, mesmo que a mulher com a qual você esteja tenha tido experiências sexuais no passado, a intimidade matrimonial será única para ela, porque ela nunca experimentou o dom da pura intimidade como Deus desejou – como um sacramento.

Se você vê que a situação não está avançando, mas está te levando a um abismo de ressentimento entre vocês dois, encontre um terapeuta, um padre ou parente com quem possa conversar. O Matrimônio é uma das decisões mais importantes que você fará, e você deve cercar-se de sábios conselheiros. A sua mulher não tem que viver para sempre com a sombra do seu passado a persegui-la. Sua missão é ajudar a afastar essa sombra.

5. Reflita o amor de Deus por ela: um cara na mesma situação me mandou email uma vez, dizendo como se sentia ”passado para trás” por causa do passado da sua noiva. Entendo porque ele se sentia assim. Contudo, temos que lembrar que não nos salvamos para receber, mas para doar. Muito sobre o amor autêntico é simplesmente doação sem procurar algo em troca. Ao se tornar esposo, você não receberá o dom da virgindade dela. Mas vai receber algo ainda melhor: ela própria como dom. Seria triste perder o dom de uma pessoa em busca do dom da sua virgindade. De fato, conheço um casal que estava próximo ao noivado, mas acabaram rompendo pois o rapaz não aceitava o passado da garota. Foi trágico, porque ele não percebeu que falhando em aceitar o passado dela, ele estava perdendo um belo futuro.

Apenas veja como Deus nos ama incondicionalmente, e como somos tão mesquinhos em troca. De fato, a Bíblia frequentemente fala sobre Israel como sendo uma prostituta, e tendo esquecido o seu primeiro amor, que era Deus. Ainda assim Deus perdoa suas iniquidades e amou Israel apesar do seu passado. Não estou comparando sua namorada a uma prostituta (ou você com Deus), mas apenas dizendo que estará a amando de uma forma divina se escolher aceitar o passado dela. Ela precisará te amar incondicionalmente também, se você desejar ter um casamento duradouro. Todos temos imperfeições. Deus não guarda rancor dela, você também não deveria.

Lembre que aceitar incondicionalmente sua futura esposa te faz muito mais homem aos olhos dela do que qualquer outra coisa que você fizer. Talvez ela se pergunte, “sou digna de ser amada? Sou estragada? Não sou capaz de ser amada?”. Você tem um papel fundamental na sua cura, morrendo para você mesmo por amor a ela. Acredite ou não, essa ferida que você sente foi na verdade concedida a você por Deus para curar sua própria alma. Ela vai te conformar a Cristo, purificar seu amor, e até mesmo fortalecer o seu casamento se você continuar a responder à Graça de Deus para carregar essa cruz. Vocês dois tem um papel importante na cura um do outro, você não pode esquecer disso.

Madre Teresa nos diz que para que o amor seja real, deve doer. Deve nos esvaziar de nós mesmos. Então, te encorajo a olhar para o crucifixo, que é o sinal último de amor. Apenas através dele que Cristo atingiu a alegria da ressurreição. Da mesma forma, Papa João Paulo II nos conta como isso se traduz nos relacionamentos:

“Nós amamos a pessoa completa, com todas suas virtudes e defeitos, e a partir de um ponto, independentemente dessas virtudes e apesar desses defeitos. A força de tal amor emerge mais claramente quando a pessoa amada tropeça, quando sua fraqueza ou até mesmo os seus pecados vêm à tona. Alguém que ama verdadeiramente não retira o seu amor, mas ama ainda mais, ama com total consciência das falhas e defeitos do outro, e sem a mínima aprovação deles.” [1]

Para mim, a paz vem com aceitação. É quando percebemos que perdão não é um sentimento, mas uma decisão. Claro, a dor não vai passar de um dia para o outro. Para mim, os pensamentos e a dor vêm e vão. Mas cada vez que eles aparecem, paro e rezo pela cura dela, pela conversão dos rapazes que ela namorou. Sei que, quando nós liberamos o poder redentor do sofrimento, Deus pode usá-lo para um bem maior.

Em resumo, o principal que você tem a fazer é ter um coração grato pela mulher que ela se tornou, e ser paciente com você mesmo e com ela quando essas emoções surgirem em você. Use-as como um lembrete para rezar pela cura dela, decidir manter o relacionamento puro, e mostra-la o amor de Deus. Faça isso, e no tempo d’Ele, Deus vai curar as feridas dela e até mesmo as suas. No meio tempo, não tema que esses pensamentos assombrosos do passado nunca diminuam. Com o correr do tempo, você deverá sentir uma maior paz conforme o seu amor se aprofunda.

________________________

  1. [1]. Karol Wojtyla (Papa João Paulo II), Amor e Responsabilidade (São Paulo: Edições Loyola, 1982).

Leave a Reply